O QUE TEM DE TÃO ASSUSTADOR NO ESCURO?

O QUE TEM DE TÃO ASSUSTADOR NO ESCURO?

Seu filho ainda não dorme sozinho e você já não sabe mais o que fazer? Todas as noites é a mesma situação: medo do escuro, de bichos, de fantasmas e de tantas outras coisas? Junto disso vem o choro, o desespero e as barganhas. Mas tudo isso é relativamente comum nas crianças, e acontece com a maioria dos pequenos em algum momento da infância. A maneira como os adultos lidam com essas manifestações é que é muito importante para o desenvolvimento de um sono saudável.

A explicação para esses medos na hora de dormir, se dá, em grande parte pela enorme capacidade criativa e imaginativa das crianças, que é mais estimulada durante a infância. Trata-se de uma fase normal de desenvolvimento, iniciando por volta dos dois anos, podendo estender até aos nove anos de idade. Nesse período, eles absorvem tudo de novo ao seu redor, assim, são capazes de imaginar várias coisas novas e também… assustadoras!!!

Além disso, os jogos infantis estão cada vez mais fantasiosos com dragões, bruxas, zumbis e vilões, o que pode dificultar na hora de dormir. Até mesmo coisas familiares como o próprio quarto, de repente pode parecer assustador quando levamos em consideração tudo o que a criança criou ao longo do dia inteiro. Vale lembrar que os mais pequenos ainda estão construindo em suas mentes a diferença entre a realidade e a fantasia. Adicionalmente, as crianças em idade pré-escolar começam a perceber que existem coisas e pessoas no mundo que podem realmente fazer-lhes mal. A função dos adultos é ajudá-las a compreender a diferença entre um perigo real e algo que parece perigoso.

Por causa desse medo, as crianças podem recusar-se a ir dormir em seus quartos, principalmente se precisarem ficar sozinhas. Como podemos ajudar então? Em primeiro lugar, precisamos conversar e identificar qual o medo da criança. É importante ouvir com atenção e questionar sobre os medos que passam na cabeça dos pequenos. Evite ridicularizar ou “fazer pouco caso” pois, aquilo que parece engraçado a um adulto, é extremamente assustador a eles.

Algumas dicas práticas: os momentos que antecedem a hora de ir para cama devem ser felizes e tranquilos; permita objetos que deem a sensação de segurança, como bichos de pelúcia, panos, etc.; a porta do quarto pode ficar aberta e uma luz mais fraca acesa, caso o pequeno solicite. Reforce positivamente as noites que a criança ficar em sua própria cama e promova atividades de autoconfiança durante o dia. Não seja indiferente ao sofrimento deles, conte também sobre os medos que você tinha quando era criança.

SUPER IMPORTANTE: deixá-la dormir na cama dos pais não ajudará na eliminação do medo! Fazer com que a criança permaneça na sua cama é extremamente importante, pois será assim que ela irá saber que o quarto é um local seguro. Caso o medo tenha se tornado algo que venha a incomodar muito seu pequeno e a prejudicar seu desenvolvimento, vale a pena procurar um profissional. Afinal, o medo pode ser um sintoma de intensa angústia.

Sobre o autor

Alessandra Manéa da Silva