“É SÓ O JEITO DELE DE ME AMAR…”

“É SÓ O JEITO DELE DE ME AMAR…”

Não há dúvidas de que existem inúmeras formas de amar, de demonstrar amor por alguém e, essa quantidade enorme de perspectivas pode ser positiva, porque nos abre possibilidades diferentes de o sentir e o transmitir. Mas, por outro lado, essa tal liberdade pode nos confundir, por não ser algo racional, exato e matemático, o amor consegue pregar algumas peças nas pessoas.

Eu sou defensora do amor livre, entendo que cada pessoa e cada par possuem o livre arbítrio de combinar a forma com que vão se relacionar e isso é algo que diz respeito a eles, e apenas a eles. Contudo, se o jeito do seu parceiro de te amar perpassa por indiferença, manipulação, mentiras, egoísmo, agressões…alguma coisa não está fechando aí, sabe?

Quando você internaliza o entendimento de que, independentemente de como o amor do outro é transmitido, ainda sim é amor, pode acontecer de você se apropriar de todos os problemas e dificuldades da relação para justificar a forma com que é tratada. Então, é capaz de passar pela tua cabeça que “eu não sou carinhosa o bastante com ele, por isso que ele me trata dessa forma às vezes” ; ou “eu não estou me dedicando o quanto eu gostaria”; ou “a minha mãe me fala mesmo que eu sou uma pessoa difícil de lidar e que eu deveria agradecer por ele me aguentar”; ou ainda “é meu dever como parceira manter relações sexuais sempre que ele quiser, eu mereci tal tratamento”. Assim, dessa forma, você acaba por assumir toda a responsabilidade pelo seu relacionamento e também da mudança que precisa ser feita. Você assume tudo pelo outro e isso, para dizer o mínimo, não é justo.

Além disso, quando você elabora que esse é o jeito dele de te amar, você também está, como diz meu pai, entendendo que um problema sem solução, solucionado está. Se é assim que ele demonstra que te ama, mesmo que não seja a forma que bem lá no fundo você gostaria de ser amada, ainda assim é amor, né? E um amor assim, é melhor do que amor nenhum, certo? NÃO, ERRADO! Muito pelo contrário, amor nenhum, por vezes, é melhor e mais saudável do que um amor torto, um amor abusivo, um amor que não encaixa com o teu tipo de amor.

Eu sei, é uma luta constante trilhar o caminho do amor próprio. Principalmente nesse contexto que estamos vivendo. Apenas tente se lembrar de que, quem veste a tua pele e passa por todas as tuas dificuldades é você mesma e não os outros e de que você não precisa aceitar menos do que merece.

Sobre o autor

Aline Magnus

Aline Magnus

CRP: 07/28672​